domingo, 29 de março de 2009

The Plano Real and the Global Crisis

The Plano Real and the Global Crisis

Stanley Martins Frasão

The Provisional Measure[1] 542, of June 30, 1994, ratified afterwards by several others, was converted into the Law 9.069/95, which ruled on the Plano Real and, among other things, established regulations for the transition from Cruzeiro Real, the URV and the Real, especially concerning the conversions of obligations.
The aforementioned Provisional Measure altered the currency of the country, commanded the writing in Real of all pecuniary expressions that translated into the national currency, fixed the parity between the Real and the Cruzeiro Real, and between the URV and the Real.
The Program of Economic Stability, or Plano Real, is considered the best in combating inflation, among others launched in recent times.
More accurately we continue in search of economic stability, for Brazilian inflation, according to the IBGE, measured by the IPCA (families with monthly incomes within 1 to 40 minimal wages), presents the following evolution, not counting the periods of price freezes:

1,990 (1,620.97), 1,995 (22.41), 2,000 (5.97), 2,005 (5.69)
1,991 (472.69), 1,996 (9.56), 2,001 (7.67), 2,006 (3.14)
1,992 (1,119.09), 1,997 (5.22), 2,002 (12.53), 2,007 (4.46)
1,993 (2,477.15), 1,998 (1.65), 2,003 (9.30), 2,008(until Nov.) (5.61)
1,994 (916.46), 1,999 (8.94), 2,004 (7.60)

The global crisis has generated worries of all sorts to everyone, causing the devaluation of the Brazilian currency against the dollar. The currency reflects the soul of its people. Consider the American example. The sum of the forced course and the public confidence in the government that mints the currency allowed the transition of the metal currency to the nominal concept, separated from its metallic element, when Nixon completely eradicated the gold standard in 1971. Since then the dollar was worth only by force of the trust of American citizens and other countries in the United States economy.
The Plano Real recovered people’s trust in the economy and the government, and since 1990 the Brazilian currency was embodied in the “dollar-standard”.
The government, the Plano Real, started to control an instrument capable of eradicating inflation from our economy, but we should not ignore the “Francomano of law”, because those who spend more than they earn and are indebted more than they can shall lose their independence, soul, and shall mortgage their future. If the State does not apply the wise Italian Law it will foment inflation, allowing the corrosion of the currency, and consequently the loss of trust from the people, which will allow all sorts of uncertainties to emerge.
The future, of course, is unknown. But the eternal and resistible Brazilian hope lessens the uncertainty that we will never have a devaluation in the currency comparable to the year of 1989, when it reached 1,765%.
[1] In Brazilian Constitutional Law, a Provisional Measure (Medida Provisória) is adopted by the President without the participation of the Legislative. It has the force of a law, but it is not a law until it is approved by Congress.

Parliamentary Inquiry Commission of the Penitentiary System

Parliamentary Inquiry Commission of the Penitentiary System

Stanley Martins Frasão

Recently I have had the opportunity to watch the video presented by the bachelor in Law, Vivian Azevedo Rodrigues, presented on the Parliamentary Inquiry Commission (CPI) of the Brazilian Penitentiary System, depicting its negative situation and criticizing it. The CPI was created with the goal of investigating the reality of the penitentiary system, focusing on the overpopulation of the detention centers, the economic and social costs established, the permanence of the prisoners who have already finished their term, the violence inside the institutions of the prison system, the corruption, organized crime and its ramifications in the prison facilities, and to seek solutions for the effective implementation of the Penal Law.
The aforementioned CPI, after ample studies and analyses of 56 prison establishments in 18 States, presented the Bill 4202/2008 which: (i) alters the procedures for material assistance, health assistance (of preventive and curative nature, encompassing medical, pharmaceutical, dental and psychological care), and judicial assistance for the interns, and discharge assistance, (ii) increases the number of members of the National Council for Criminal and Penitentiary Policy to 19 (the members’ mandate in the council will last 2 years, allowing continuation), (iii) creates at least one Center for the Monitoring and Accompaniment of the Execution of Penal Sentences and Alternative Measures to Imprisonment per municipality, equipped with inspecting teams and interdisciplinary teams composed of psychologists, social workers, educators and other professionals whose field of knowledge is related to the execution of penal sentences and alternative measures to imprisonment, and (iv) establishes that each municipality will have at least one public jailhouse in order to guarantee the interest of the Administration of Criminal Justice and the permanence of the prisoner in a place near his or her family and social milieu.
Furthermore, the admittance of prison personnel, the progression of ascension of employees will depend on specific educational courses in which it is mandatory to study human rights, carrying out regular update of active employees. And the director of the detention center will have to hold a graduate degree or specialization in prison administration.
The sale of products and contracted services will be explored by the administration of the detention center, and the funds obtained shall be transferred to the National Penitentiary Fund, and the prices of the products and services will be fixed by the Judge after hearing the Public Ministry, which shall inspect the sales and services and the destination and investment of the funds obtained.
The State may join partnerships, deals and covenants with the goal of professionalizing the price with SESC, SESI and SENAI.
It is important to stress that the Centers for the Monitoring and Accompaniment of the Execution of Penal Sentences and Alternative Measures to Imprisonment will constitute a sustainable social network, integrated by governmental and non-governmental entities with the objective of offering positions and services necessary to the structuring, monitoring and inspection of the conclusion of penalties and alternative measure to imprisonment. The State will set partnerships, deals and covenants with the Brazilian Bar Association, public and private universities, NGOs in the fields of justice, social development, citizenship and human rights, and with representative entities of the community linked to penal execution, in order to constitute a social network.
The execution of the penalties and alternative measures to imprisonment will be carried out in an integrated, articulate, interactive and inter-institutional manner, with the implementation of social public policies in the fields of health, schooling, professionalization and job and income generation.

quinta-feira, 26 de março de 2009

Presídios Femeninos

Presídios Femeninos
Stanley Martins Frasão*
Recientemente, el ministro de la Justicia, Tarso Genro, anunció que el gobierno federal está previniendo la apertura de 5,5 mil nuevas plazas para los presidios femeninos, siendo que éstas serán distribuidas en los estados de Espírito Santo, São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco y Pará.
Del Sistema Integrado de Informaciones Penitenciarias del Ministerio de la Justicia, con base en junio de 2007, las informaciones son de que el número de mujeres a las que se les ha privado la libertad en Brasil en 2002 era 10.285, pasando en 2007 para 25.909. Del total de presos, estimativa de 420 mil, las mujeres pasaron del 3% para el 6% en este periodo.
La profesora Edna Roriz ha alertado sobre la cuestión de que la criminalidad femenina es poco asistida por el Sistema Penitenciario Brasileño.
Una cuestión que se constituye como un grave tormento para las reclusas en el periodo que están en la cárcel se relaciona a la educación, salud y bienestar de sus hijos.
En los años de 2004 y 2005 fue realizada una pesquisa en Belo Horizonte, MG, entre 77 detenidas. Se constató que después del encarcelamiento, los responsables por el cuidado y guarda de los hijos de las presas son: el 61% estuvieron bajo la responsabilidad de los abuelos; el 24% estuvieron bajo los cuidados de otros familiares, vecinos y conocidos; y el 15% permanecieron con el padre.
Por más dedicados que puedan ser estos “sustitutos”, se sabe que ninguna figura ejercería el papel materno con el mismo celo, cuidado y el establecimiento de lazos tan fuertemente estructurados como los que la madre consigue dar a sus hijos.
La ausencia de la figura materna es, para muchos, traumática, sumándose a eso la falta de oportunidad y perspectiva y el recelo de que muchos acabarán siguiendo el mismo camino de la madre.
Luces vienen de Brasília, pues la Comisión de Seguridad Pública y Combate al Crimen Organizado aprobó en ésta, en el día 20.08.08, el Proyecto de Ley 3669/2008 que altera el artículo 89 de la Ley n° 7.210/84 – Ley de Ejecución Penal – y los artículos 33 y 45 de la Ley n° 8.069/90 – Estatuto del Niño y del Adolescente.
Si aprobado el PL, se tornará obligatoria la creación de guarderías en los presidios femeninos. También dejará clara la permanencia del poder familiar de las detenidas durante el periodo de reclusión y la necesidad de su consentimiento en la hipótesis de adopción. Y la penitenciaria de mujeres deberá tener alojamientos para gestante y parturienta.
Excepcionalmente, se concederá la guarda, fuera de los casos de tutela y adopción, para atender a situaciones peculiares o suplir la falta eventual de los padres o responsables, como en caso de prisión, pudiendo ser deferido el derecho de representación para la práctica de actos determinados.
La adopción dependerá, aún que esté preso, del consentimiento de los padres o del representante legal del adoptado.

El PL será votado por el Plenario de la Cámara de los Diputados después de análisis de las Comisiones de Seguridad Social y Familia; y de Constitución y Justicia y de Ciudadanía.
______________
*Abogado socio de la firma Homero Costa Advogados

Arquivo Carlos Lacerda

Arquivo Carlos Lacerda
Stanley Martins Frasão*
O presente ano marcará o 10º aniversário da assinatura do convênio entre a FUNDAMAR – FUNDAÇÃO 18 DE MARÇO e a Universidade de Brasília – UnB, para a organização do Arquivo Carlos Lacerda. A data deve ser celebrada por se tratar da viabilização de um dos arquivos mais ricos sobre a vida política e cultural do Brasil, abrangendo o período de 1930 a 1977.
Após a morte de Carlos Lacerda (23.5.1977), sua família doou à UnB, em 1979, a vasta documentação sobre ele. São inúmeros itens que durante 20 anos ficaram guardados em caixas e foram utilizados apenas por pesquisadores que sabiam de sua existência. Somente em 1999, a Universidade preocupada com o risco que estavam correndo tão importantes documentos para a história recente do país, procurou patrocínio para organizá-los. O apoio veio da Fundamar - Fundação 18 de Março, na forma de financiamento. O material emergiu a público e se transformou no Arquivo Carlos Lacerda, que fica na Divisão de Coleções especiais da Biblioteca de Brasília
O arquivo Carlos Lacerda foi dividido em "Vida Pessoal", "Produção Intelectual", "Empresário" e "Vida Política", essa última é evidentemente maior, em razão de sua atuação como Governador do Estado da Guanabara. O plano de trabalho proposto, apresentado e ratificado pela FUNDAMAR , teve como objetivo permitir o acesso rápido às informações relativas ao político, jornalista, escritor, contista, dentre outros. Trata-se de um conjunto de documentos com um grande potencial informativo sobre aspectos importantes da história contemporânea do Brasil. O arquivo é composto por 26,54 metros lineares de documentos textuais, isto corresponde a cerca de 159 mil folhas de documentos, 4.426 ampliações fotográficas, 266 slides, 86 discos de vinil e 2 fitas de áudio. Nele estão registradas as atividades intelectuais, políticas e empresariais de Carlos Frederico Werneck Lacerda (1914-1977). O material contém, ainda, registros de sua vida pessoal, a relação com amigos, familiares, políticos, artistas, escritores e admiradores.
Destaca-se, especialmente, os documentos relacionados à vida política brasileira, principalmente nas décadas de 1950 e 1960, mesmo porque é impossível falar de Lacerda e do seu Arquivo, sem falar em política. Político foi ele em tempo integral por toda a sua vida. Sobre o escritor continua pesando o patrulhamento ideológico destinado ao político. Unanimidade existe apenas ao se considerar a sua oratória. "Orador de pompas asiáticas" como enfatizou Romero Neto no prefácio do excelente "Sangue e Paixão" com o qual Lacerda inaugurou na língua portuguesa o romance-verdade; ou o "maior tribuno que passou pela Câmara dos Deputados" na opinião de Paulo Pinheiro Chagas ("Esse velho vento da Aventura", página 330). Do "Quilombo de Manuel Congo" - escrito em 1935 e reeditado em 1998 - ao "A Casa de Meu Avô", Carlos Lacerda escreveu mais de 30 livros, sendo que o último elevado ao patamar de obra prima por Carlos Drummond de Andrade: "Ainda que você não tivesse outros títulos - e têm muitos - bastaria este, o de autor da "A Casa de Meu Avô" para garantir-lhe esse lugar que importa mais do que os lugares convencionalmente tidos como importantes" (Carta de 26/12/76). Dos publicados em vida, raros livros ficaram na primeira edição. A Fundamar, novamente em convênio com a UnB organizou a publicação de quatro obras do autor: "Rosas e Pedras de Meu Caminho", Brasília 2.001 Ed. Universidade de Brasília, "21 Contos Inéditos de Carlos Lacerda", e "3 Peças Inéditas de Carlos Lacerda” (O rio, Amapá e Uma bailarina solta no mundo), ambos da Ed. Universidade de Brasília e Imprensa Oficial do Estado/SP, 2003 e "Minhas Cartas e as dos Outros" Ed. Universidade de Brasília, 2005.
É ainda cedo para se falar de Carlos Lacerda com a devida imparcialidade. Homem que despertava fascínio entre os amigos e ódio entre os adversários, pode ser, mesmo que precariamente decifrado pelo ex-presidente Jânio Quadros: "Era uma personalidade paradoxal. Tinha voos condoreiros e, às vezes, mergulhava, abandonando as alturas. Corajoso, culto, erudito mesmo, jornalista completo e desassombrado, tribuno terrível, administrador eficiente – o Rio de Janeiro que o diga -, político altivo e apaixonado. Sua vida é página de gestos grandiosos e contradições consigo mesmo. No balanço todos somos devedores de seus ideais, sem embargo dos excessos da palavra mágica e do comportamento imprevisível. “Deixemos a história julgá-lo".
________________
(Colaboração do estagiário Mateus Victória Gontijo)
________________
*Advogado, sócio do escritório Homero Costa Advogados

______________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 26 de março de 2009.
Fonte: http://www.migalhas.com.br/

segunda-feira, 23 de março de 2009

Flanelinhas

Flanelinhas
Stanley Martins Frasão*
"- E ai Patrão, tem talão de faixa azul?" "- Tenho." "- Então dá um cafezinho na volta?" Os diálogos entre motoristas e tomadores de conta de carros nas vias públicas, que são conhecidos também como flanelinhas, são curtos. E em grande parte, se o motorista não se submete ao pedido do flanelinha, alguns os verdadeiros donos do espaço que dividem com outros por fronteiras delimitadas pelos mesmos, quando retorna ao seu veículo geralmente encontra o mesmo com algum detalhe na pintura, pneus, dentre outros.
E eles, os flanelinhas, são facilmente encontrados nos arredores de bares, restaurantes, estabelecimentos comerciais, casas de shows; enfim, se tiver lugar com movimento de veículos eles estarão presentes. E nem sempre confiar seu carro aos cuidados de tal profissional informal é garantia de que sua propriedade estará segura, mesmo quando o pagamento é antecipado. Há casos e casos de veículos arrombados, furtados e com avarias mesmo quando são confiados aos flanelinhas. Alguns até têm a confiança de seus clientes e ficam também com a chave do carro para movimentá-lo, quer seja para um simples deslocamento na faixa dupla ou mesmo para ser lavado. E também há casos de flanelinhas que até se permitem a dar uma voltinha com o veiculo de seu cliente e bem se sabe o que pode acontecer nestes casos. Mas a verdade, como em toda profissão, formal ou informal, há bons e alguns maus flanelinhas. E o Poder Público o que faz? Nada ou quase pouco! As pessoas se tornam reféns na maioria das vezes de tais profissionais. Estacionamento pago, por mais caro que seja, é uma boa solução para se livrar de tais inconvenientes. Aliás, nem mesmo os denominados espaços azuis, onde é obrigatório o uso de talão de azul, o motorista tem a garantia de estar seguro o seu veículo, porque o Poder Público não é obrigado a indenizar em caso de furto ou avaria nestes casos.
O Deputado Federal Antonio Carlos Biscaia (PT/RJ) é autor do Projeto de Lei 4501/2008 (clique aqui), que em 4/2/2009 foi encaminhado à Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado - CSPCCO. O PL acrescenta novo artigo ao Decreto-Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal brasileiro - CPB. Aprovado o PL o CPB (clique aqui) passará a vigorar acrescido do artigo 160-A com a seguinte redação:
"Art.160-A. Solicitar ou exigir, para si ou para terceiro, a qualquer título, dinheiro ou qualquer vantagem, sem autorização legal ou regulamentar, a pretexto de explorar a permissão de estacionamento de veículo alheio em via pública: Pena – detenção, de 1 a 3 anos, e multa."
A aprovação do PL, desde que o Poder Público cumpra a sua parte, poderá representar um passo importante na busca da paz nas ruas.
________________
*Advogado, sócio do escritório Homero Costa Advogados

______________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 23 de março de 2009.
Fonte: www.migalhas.com.br

domingo, 22 de março de 2009

Mineiros aguardam aprovação da Câmara federal para criação de TRF

Mineiros aguardam aprovação da Câmara federal para criação de TRF
Stanley Martins Frasão*
A Lei 10.772, de 21 de novembro 2003, criou 183 Varas Federais destinadas precipuamente à interiorização da Justiça Federal de Primeiro Grau e à implantação dos Juizados Especiais no País: 59 na 1ª região (AC, AM, AP, BA, GO, MA, MG, MT, PA, PI, RO, RR, TO e DF), 27 na 2ª região (RJ e ES), 28 na 3ª região (SP e MS); 36 na 4ª região (RS, SC e PR) e 33 na 5ª região (CE, PA, PE, RN e SE). Somente em MG, que pertence à 1ª região, foram criadas e instaladas as seguintes varas: 3 em Belo Horizonte, 2 em Divinópolis, 2 em Governador Valadares, 1 em Ipatinga, 1 em Lavras, 1 em Montes Claros, 1 em Passos, 1 em Patos de Minas, 1 em Pouso Alegre, 1 em São João Del Rey, 1 em São Sebastião do Paraíso, 1 em Sete Lagoas e 1 em Varginha. O PL-5829/2005, que tramita na Câmara dos Deputados, dispõe, ainda, sobre a criação de mais 400 Varas Federais destinadas também à interiorização da Justiça Federal de primeiro grau e à implantação dos Juizados Especiais Federais no País.
Enquanto isso, a Proposta originária de Emenda à Constituição nº. 29, de 2001, atual PEC 544/2002, tendo como primeiro signatário o então Senador Arlindo Porto, acresce os parágrafos 11 e 12 ao art. 27 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias - ADCT:
§11. São criados, ainda, os seguintes Tribunais Regionais Federais: o da 6ª região, com sede em Curitiba, Estado do Paraná, e jurisdição nos Estados do Paraná, Santa Catarina e Mato Grosso do Sul; o da 7ª região, com sede em Belo Horizonte, Estado de Minas Gerais, e jurisdição no Estado de Minas Gerais; o da 8ª região, com sede em Salvador, Estado da Bahia, e jurisdição nos Estados da Bahia e Sergipe; e o da 9ª região, com sede em Manaus, Estado do Amazonas, e jurisdição nos Estados do Amazonas, Acre, Rondônia e Roraima. § 12. Os Tribunais, a que se refere o § 11, deverão ser instalados no prazo de 6 (seis) meses, a contar da promulgação desta Emenda Constitucional, observado, quanto à sua composição, o estabelecido nos incisos I e II do art. 107 da Constituição Federal (NR).
Para se ter uma idéia do que a criação e instalação de apenas o TRF-MG representará para os cidadãos não só mineiros, mas dos outros 13 estados que integram a 1ª Região, porque haverá uma redução considerável de processos a cargo do TRF-1ª. Região, examinando-se um micro exemplo, o Relatório de Atividades de 2005 do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, onde todos os processos dos aludidos estados são julgados em grau de recurso, o Quadro 94, p. 169, Petições diversas recebidas nas Seções Judiciais” retrata que de um total de 19.998, 11.908 são recursos e petições oriundas de MG, 59,54%.
As reclamadas e sonhadas celeridade e economia processuais estariam mais perto da realidade, afinal, 27 Desembargadores integram o TRF-1ª Região para um universo de 811.098 (59,54% de MG = 482.927) processos distribuídos contra 642.957 (59,54% de MG = 382.816) julgados, gerando um déficit de 168.141 (59,54% de MG = 100.111) processos pendentes de julgamento, conforme informações obtidas no site do Conselho da Justiça Federal, no período de 1995 ao 1º Semestre de 2006. Minas Gerais e os demais Estados já citados, incluindo o DF, precisam, urgentemente, da criação e instalação dos Tribunais Regionais Federais da 6ª, 7ª, 8ª e 9ª Regiões.
Em relação à movimentação processual do TRF/1ª região, de 1995 até 2007, foram distribuídos 1.046.045 processos, sendo julgados 856.350, emergindo um novo déficit de 189.695, ou seja, mais 21.554 sem julgamento. O prejuízo aos jurisdicionados é crescente, isso sem contar o ônus de deslocamentos de advogados à Brasília!
Segundo o site da Câmara dos Deputados a última movimentação da aludida PEC se deu em 19.11.2003, quando houve a retirada de pauta da mesma a requerimento do Deputado Devanir Ribeiro PT/SP. Assim, enviei e-mail ao nobre Deputado, recebendo no dia 4 p.p. a seguinte resposta:
"Respondendo ao seu e-mail datado de 28.3.2008, referente à PEC 00544/2002, temos o seguinte a considerar: 01.
O meu requerimento somente existiu devido a um acordo com o Líder do Governo para que pudesse ser cotadas as MPs que estavam trancando a pauta da Câmara dos Deputados. E eu, como Vice-Líder do PT na ocasião, tive que fazer tal solicitação. 02. Quanto a dar novamente andamento na referida PEC, o mesmo pedido deve ser pedido para o Líder do Governo ou mesmo ao Presidente da Câmara dos Deputados, que tem poderes para tal. Atenciosamente. Dep. Devanir Ribeiro PT/SP."
Enviei e-mail ao Dep. Arlindo Chinaglia, presidente da Câmara dos Deputados, no mesmo dia 4 de abril, sem resposta até a presente data.
A Ordem dos Advogados do Brasil – Seção MG, a Associação dos Juízes Federais - AJUFE, a Associação dos Juízes Federais em Minas Gerais - AJFEMG, a Associação Mineira de Municípios - AMM, entidades civis estaduais e federais, apóiam integralmente a criação do TRF mineiro. Enfim, a população dos 13 estados e do DF que integram o TRF da 1ª região estão aguardando a imediata inclusão da PEC em pauta e o voto favorável dos Senhores Deputados Federais. Isso é de patente interesse público.
__________________
*Consultor externo do Prêmio Innovare. Conselheiro Seccional da OAB/MG. Advogado do escritório Homero Costa Advogados


______________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 25 de abril de 2008.
Fonte: www.migalhas.com.br

Advocacia pro bono

Advocacia pro bono
Stanley Martins Frasão*
A responsabilidade pela assistência judiciária não é apenas do Estado, mas da sociedade ou de alguns segmentos da sociedade. Se os advogados constituem a peça básica do judiciário é no advogado realmente que se deve centrar a responsabilidade pelo problema da assistência judiciária a carentes.
A solução tem que vir dos advogados e dentro destes os que forem capazes de atender os casos concretos, através da "advocacia pro bono".
Uma sociedade que se diz democrática deve procurar tirar do Governo o ônus de resolver os problemas que são da responsabilidade de todos os cidadãos como indivíduos. É do estrito dever destes, pelo menos tentar resolver tais problemas quando o Estado se mostra deficiente. E no caso de assistência judiciária com mais razão porque se trata de área carente na grande maioria das comarcas brasileiras.
Estamos convencidos de que somente a iniciativa privada é capaz, com o Estado a reboque, de equacionar adequadamente a solução do problema de assistência judiciária a carentes.
O CESA - Centro de Estudos das Sociedades de Advogados já iniciou o debate da questão. Se efetivamente for bem sucedido poderá se projetar em outras instituições até inserir-se na instituição maior que é a Ordem dos Advogados do Brasil.
A responsabilidade social de minimizar os problemas na área da assistência jurídica aos carentes cabe aos advogados e principalmente aos escritórios de advocacia.
_____________
* escritório Homero Costa Advogados.
____________
Clique aqui e veja as Migalhas dos leitores sobre este tema, e aproveite para enviar suas observações.
___________________________________________________________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 2 de outubro de 2002.

quinta-feira, 19 de março de 2009

"Dia Nacional da Consciência Negra"

"Dia Nacional da Consciência Negra"
Stanley Martins Frasão*
Dia 20 de novembro é o "Dia Nacional da Consciência Negra". A Lei 10.639 (clique aqui), promulgada pelo presidente Lula em 9.3.03 teve o objetivo de alterar a Lei 9.394 de 1996 (clique aqui), para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", incluído-se o estudo da História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil. A nova lei foi saudada por inúmeros movimentos classistas e pela sociedade civil em geral, afinal tratou-se de providência valiosa com escopo de resgatar elementos culturais afro-descendentes, os quais contribuíram decisivamente para a formação da cultura e identidade nacional. Além disso, cumpria um mandamento constitucional traduzido pelo artigo 1º, III, de nossa Carta Maior (clique aqui), a qual também torna defeso a prática do racismo (crime inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de reclusão nos termos da Lei).
Decorridos mais de 5 anos da promulgação da aludida lei, sua implementação ainda está tímida. Imperioso destacar que nesse interregno houve movimentos valiosos, porém isolados, pautados majoritariamente em ações de professores, os quais sabedores da importância da aludida lei, anteciparam-se aos governos e desenvolveram práticas próprias para sua implementação. Muitos são os alunos que vêem a nova disciplina distante, que pode ser debitado principalmente a escassez de profissionais gabaritados para ministrar a nova cadeira, bem como a inexistência de material didático-pedagógico voltado para o tema. O tema foi retomado em julho de 2008 através do Encontro Nacional para o Implemento das Diretrizes Curriculares para Educação das Relações Étnico-Raciais (Lei nº. 10.639/2003), uma iniciativa do Ministério da Educação, através da Secretaria de Educação Continuada Alfabetização e Diversidade. Destacam-se o envolvimento dos movimentos que lutam pelas ações afirmativas em prol da comunidade negra no Brasil, os quais reiteradas vezes tornaram pública a inércia governamental a esse respeito.
Cumpre destacar o texto veiculado pelo site: (clique aqui), o qual explicita o ofício circular nº 040/2006/PFDC/MP, de 6.12.06, sob o título "Atuação dos Ministérios Públicos na Inclusão da Temática Histórica e Cultura Afro-brasileira".
Nesse ofício, cujo escopo é declinado no título supracitado, percebeu-se certa morosidade do Ministério Público mineiro na fiscalização da aplicação dessa lei. Até a data do aludido ofício, constava que o Parquet havia instaurado no Centro de Apoio Operacional das Promotorias de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos (CAO-DF) processo administrativo nº 03/2006 para a verificação de seu cumprimento, ao passo que nos outros, como o de Goiás, visualizam-se inúmeros expedientes realizados a fim de obter os fins almejados pela sociedade.Dispensam-se comentários sobre o que a história já nos ensinou, todavia, é forçoso alertar para que não cometamos novamente os erros do passado, agora por omissão, diante do grande risco no que diz respeito ao descumprimento da aludida lei.
_________________
Colaboração de Mateus Victória Gontijo
_________________
*Advogado do escritório Homero Costa Advogados
_____________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 20 de novembro de 2008.

Multas e o serviço de transporte rodoviário

Multas e o serviço de transporte rodoviário

Stanley Martins Frasão*

O PL 3111/2008 (clique aqui) do Deputado Edigar Mão Branca pretende estabelecer regras para o atendimento dos passageiros, padrões de fiscalização por parte do Poder Público e critérios para a punição das empresas prestadoras do serviço de transporte rodoviário coletivo internacional e interestadual de passageiros, nas situações de atraso ou interrupção na prestação do serviço.
O PL será analisado pelas comissões de Defesa do Consumidor, de Viação e Transportes e de Constituição e Justiça e de Cidadania. Convertido em Lei entrará em vigor decorridos noventa dias de sua publicação oficial.
Assim, o atraso na partida de qualquer viagem relativa ao serviço de transporte rodoviário coletivo internacional e interestadual, por período superior a uma hora, implicará no pagamento de multa, pelo transportador, no valor de R$ 500,00 (quatrocentos reais) para cada passageiro.
Se o atraso for superior a três horas, o valor da multa devida será de R$ 800,00 (oitocentos reais) para cada passageiro e mais um igual valor para o Tesouro Nacional. O transportador será responsável, em quaisquer das hipóteses, pelo embarque do passageiro em veículo de mesma categoria ou de categoria de serviço superior, para o mesmo destino, ou restituirá, de imediato, se o passageiro o preferir, o valor do bilhete de passagem.
Todas as despesas decorrentes da interrupção ou atraso da viagem, inclusive transporte de qualquer espécie, alimentação e hospedagem, correrão por conta do transportador contratual, devendo ser fornecidas ou reembolsadas, de imediato, mediante a apresentação de nota fiscal pelo passageiro, sem prejuízo da responsabilidade civil do transportador e do pagamento das multas devidas.
No caso de passageiros idosos, mulheres grávidas, mulheres ou homens acompanhados de crianças com idade inferior a dois anos, crianças com idade inferior a doze anos, as multas acima mencionadas serão devidas em dobro, por passageiro.
Caberá ao Poder Público manter agentes, que não poderá se omitir diante de denúncias apresentadas pelos passageiros, sob pena de ficar caracterizada a ação de retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de ofício, para fiscalizar o cumprimento das normas e orientar os passageiros sobre os seus direitos em todas as áreas de embarque dos terminais rodoviários, durante todo o período de operação do terminal.
A inobservância das aludidas disposições sujeitará os agentes públicos responsáveis às cominações previstas no inciso III do art. 12 da Lei nº 8.429 (clique aqui), de 02 de junho de 1992, sem prejuízo das sanções penais, civis e administrativas previstas na legislação específica.
O PL obriga o administrador da rodoviária a informar os passageiros, de maneira ostensiva e tempestiva, sobre os horários previstos para a partida e chegada dos ônibus, bem como sobre eventuais atrasos e os motivos que lhe deram causa.
O PL altera, ainda, o art. 741 da Lei nº 10.406 (clique aqui), de 10 de janeiro de 2002, que instituiu o Código Civil, que passará a vigorar com a seguinte redação:
"Art. 741. Adiando-se ou interrompendo-se a viagem por qualquer motivo, ainda que em conseqüência de evento imprevisível, fica o transportador obrigado a realizar ou concluir o transporte contratado, no próprio veículo ou em outro da mesma categoria, ou, com a anuência do passageiro, por modalidade diferente, à sua custa, correndo também por sua conta as despesas de estada e alimentação do usuário, durante a espera de novo transporte". (NR).
As exigências previstas no PL não eximirão a empresa transportadora das obrigações impostas pela Lei nº 8.078 (clique aqui), de 11 de setembro de 1990, que dispõe sobre a proteção do consumidor, Código de Defesa do Consumidor.
________________
*Advogado do escritório Homero Costa Advogados

______________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 25 de novembro de 2008.
Fonte: http://www.migalhas.com.br/

Crise financeira e sindicatos

Crise financeira e sindicatos

Stanley Martins Frasão*
Orlando José de Almeida**
A crise financeira que vem assolando o mundo e a cada dia gerando dificuldades às empresas brasileiras, atingindo a produção, reduzindo o crédito e causando a dispensa de empregados, os números já são alarmantes, é assunto que envolve a todos. Sabe-se que medidas estão sendo adotadas com o objetivo de reduzir os custos, tais como a concessão de férias coletivas e licenças remuneradas para empregados.
Considerando a gravidade da crise e o risco a que as empresas estão sujeitas, sendo que muitas estão procedendo a dispensas. Em determinadas situações, verificadas as possibilidades, poderá ser procedida uma proposta de redução dos salários e/ou de redução proporcional de jornada e salários perante o Sindicato da categoria (art. 7º, VI, da CF - clique aqui).
A legislação permite que haja a alteração contratual, ainda que prejudicial, em caso de força maior ou prejuízos devidamente comprovados (art. 503 da CLT - clique aqui).
Da mesma forma, o art. 2º da Lei 4.913/65 possibilita que o empregador, em face da conjuntura econômica, reduza a jornada e o salário, por prazo certo e no máximo durante 3 meses (prorrogáveis, se a condição originária da ação se mantiver), observado o limite de 25% e o salário mínimo nacional.
Chamamos a atenção para o fato de que os dispositivos legais citados, ao nosso ver, foram recepcionados pela Constituição Federal, notadamente porque tratam de situações excepcionais. Com a finalidade de minimizar os efeitos nocivos decorrentes da crise financeira global, as empresas, antes da dispensa de seus empregados, sem justa causa, se houver possibilidade deverão tentar uma negociação com o Sindicato da respectiva classe envolvida visando, no primeiro momento, à redução de salário, e, no segundo, se for frustrada a primeira negociação, à redução proporcional de jornada e salários.
A redução pode abranger não apenas a jornada diária, mas também a semanal, limitando os dias de trabalho (terça a quinta-feira, por exemplo) e pode atingir todo o quadro da Empresa, possibilitando uma economia relevante, sem a geração de um passivo trabalhista acentuado e sem prejudicar a auto-estima e a confiança de seus empregados.
Acreditamos que os Sindicatos terão grande interesse em negociar, até porque se assim não ocorrer, passarão também a ser responsáveis por eventuais dispensas e pelo agravamento da saúde financeiras das Empresas.
A negociação com os Sindicatos além de permitir a manutenção dos postos de trabalho ou pelo menos de parte deles, propiciando a continuidade da prestação de serviços e a redução dos custos, possibilitará, quando revertidos os efeitos da crise financeira, uma recuperação mais acelerada, que não perderá tempo ou recursos na remontagem de seu quadro de empregados.
Assim, as Empresas não devem perder de vista a "Lei de Francomano", porque quem gasta mais do que ganha e se endivida mais do que pode, perde a independência, a alma e hipoteca o futuro. Deixando as Empresas de aplicarem a sábia lei italiana haverá inseguranças de toda ordem, podendo, até mesmo, gerar o declínio do segundo setor. Entendemos que os Sindicatos, neste delicado momento, muito poderão contribuir para que a economia brasileira possa sair fortalecida da atual crise financeira.
__________________
*Sócio do escritório Homero Costa Advogados.
**Advogado e responsável pela área trabalhista do escritório Homero Costa Advogados

______________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 22 de dezembro de 2008.
Fonte: http://www.migalhas.com.br/

CPI do Sistema Penitenciário

CPI do Sistema Penitenciário
Stanley Martins Frasão*
Recentemente tive a oportunidade de assistir ao vídeo, que a bacharelanda em direito, Vivian Azevedo Rodrigues, apresentou sobre a Comissão Parlamentar de Inquérito do Sistema Carcerário Brasileiro, retratando a situação negativa e crítica do mesmo. A CPI foi criada com a finalidade de investigar a realidade do mencionado Sistema, com destaque para a superlotação dos presídios, custos sociais e econômicos desses estabelecimentos, a permanência de encarcerados que já cumpriram pena, a violência dentro das instituições do sistema carcerário, a corrupção, o crime organizado e suas ramificações nos presídios e buscar soluções para o efetivo cumprimento da Lei de Execuções Penais (Lei 7.210/84 - clique aqui).
Aludida CPI, após seus amplos estudos e análises de 56 estabelecimentos prisionais em 18 Estados, apresentou o Projeto de Lei 4.202/2008, que:
(i) altera dispositivos sobre a assistência material, à saúde (de caráter preventivo e curativo, compreendendo atendimento médico, farmacêutico, odontológico e psicológico), e jurídica do preso e sobre a assistência ao egresso, (ii) aumenta para 19 o número de membros (o mandato dos membros do Conselho terá duração de 2 anos, permitida uma recondução) do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, (iii) cria em cada município, pelo menos, um Centro de Monitoramento e Acompanhamento da Execução de Penas e Medidas Alternativas à Prisão, dotado de equipe de fiscalização e equipe interdisciplinar integrada por psicólogos, assistentes sociais, pedagogos e outros profissionais cuja área do conhecimento seja afeta à execução de penas e medidas alternativas à prisão, e (iv) estabelece que cada município terá, pelo menos, uma cadeia pública, a fim de resguardar o interesse da Administração da Justiça Criminal e a permanência do preso em local próximo ao seu meio social e familiar.
E mais, o ingresso do pessoal penitenciário, a progressão ou ascensão funcional dependerão de cursos específicos de formação, nos quais é obrigatório o estudo de disciplina sobre direitos humanos, procedendo-se à reciclagem periódica dos servidores em exercício. E o diretor de presídio deverá possuir título de pós-graduação em administração penitenciária.
A venda de produtos e a prestação de serviços serão exploradas pela administração do estabelecimento penal, devendo os recursos arrecadados serem vertidos ao Fundo Penitenciário Nacional, sendo que os preços dos produtos e serviços serão fixados pelo Juiz da execução, ouvido o Ministério Público, que fiscalizará a sua venda ou prestação e a destinação e aplicação dos recursos obtidos.
O Estado poderá firmar parcerias, acordos e convênios visando a profissionalização do preso com o SESC, o SESI e o SENAI.
É importante ressaltar que os Centros de Monitoramento e Acompanhamento da Execução das Penas e Medidas Alternativas à Prisão constituirão rede social sustentável, integrada por entidades governamentais e não-governamentais, com o objetivo de oferecer vagas e serviços necessários à estruturação, monitoramento e fiscalização do cumprimento das penas e medidas alternativas à prisão. O Estado firmará acordos, parcerias e convênios com a Ordem dos Advogados do Brasil, universidades públicas e privadas, organizações não-governamentais nas áreas de justiça, desenvolvimento social, cidadania e direitos humanos, e com entidades representativas da comunidade vinculadas à execução penal, a fim de constituir a rede social.
A execução das penas e medidas alternativas à prisão se dará de forma integrada, articulada, interativa e interinstitucional, com a implementação de políticas públicas sociais nas áreas da saúde, escolarização, profissionalização e geração de emprego e renda.
________________
*Advogado do escritório Homero Costa Advogados

______________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 26 de janeiro de 2009.
http://www.migalhas.com.br/

Futuros prefeitos e a Copa de 2014

Futuros prefeitos e a Copa de 2014
Stanley Martins Frasão*
Já sabemos, somente para citar alguns itens, que: a Copa do Mundo de 2014 será no Brasil. Belém, Belo Horizonte, Brasília, Campo Grande, Cuiabá, Curitiba, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Maceió, Manaus, Natal, Olinda, Porto Alegre, Recife, Rio Branco, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo são as 18 cidades pré-selecionadas e candidatas a sediar os jogos.
A Copa das Confederações, também organizada pela Fifa, entre as seleções dos seis campeões continentais, o país-sede e o campeão mundial de 2010 será no Brasil em 2013.
O ano de 2014 será marcado pela Copa do Mundo Verde, devendo o Brasil criar programas de reciclagem, reutilização e redução do lixo e a neutralização de todo o carbono produzido no evento. Muitos negócios serão gerados antes, durante e depois. Haverá um incremento de bilhões de reais no PIB (Produto Interno Bruto). Novos empregos serão gerados. Seremos visitados por milhões de turistas de todo o mundo. Pois bem.
Os prefeitos que forem eleitos este ano, em tese, cumprirão mandato de quatro anos, isto é, até 2012. Assim, eles terão mais uma grande responsabilidade, a de contribuir de forma efetiva para o sucesso da realização da Copas do Mundo e das Confederações.
Mas, o que está sendo feito no Brasil para a preparação e visando o recebimento de eventos de tamanha envergadura? Quais propostas os futuros prefeitos têm apresentado para tal finalidade? Quais os planos para o aproveitamento das obras que serão construídas? Quais e de que formas os projetos sociais poderão ser desenvolvidos? Como serão cumpridos os requisitos da Copa Verde? Como serão preparados os nossos prestadores de serviços de todas as áreas, motoristas, cobradores, taxistas, garçons, dentre outros?
Poderia fazer várias outras perguntas, mas neste momento o objetivo é o de despertar os futuros prefeitos e a população para a oportunidade que teremos de crescimento, a necessidade de tomada de decisões e do estado de alerta que deveremos ter de imediato sobre estas e outras questões, sob pena de nada ser bem feito a tempo e a modo. Ao trabalho. Que saiamos da inércia!
PS. Em 31.05.2009 a Fifa anunciou as 12 cidades brasileiras que sediarão os jogos da Copa do Mundo de 2014 : Belo Horizonte, Brasília, Cuiabá, Curitiba, Fortaleza, Manaus, Natal, Porto Alegre, Recife, Rio de Janeiro, Salvador e São Paulo.
_________________
*Advogado do escritório Homero Costa Advogados

______________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 3 de outubro de 2008.
Fonte: http://www.migalhas.com.br/

quarta-feira, 18 de março de 2009

Direito Penal em evolução?

Direito Penal em evolução?
Stanley Martins Frasão*
O artigo 319 do Código Penal (clique aqui) tipifica o crime de prevaricação. O tipo penal prevaricar somente pode ser praticado por funcionário público. E ocorre quando este retarda ou deixa de praticar, indevidamente, ato de ofício, ou pratica ato contra disposição expressa da lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal.
O Projeto de Lei 4.623/2009 (clique aqui) do deputado Vinicius Carvalho (PTdoB-RJ) tem por finalidade transformar o cidadão em uma espécie de fiscal do cumprimento da lei. Tornar-se-á obrigatória a divulgação, nos recintos de atendimento ao público de órgãos e entidades da administração pública, das condutas que configuram o crime de prevaricação. Determina, ainda, que serão afixados em local visível, nos recintos de atendimento ao público de órgãos e entidades da administração pública, quadros, placas, cartazes ou letreiros eletrônicos a divulgar as condutas que configuram o crime de prevaricação. Atualmente, a pena é de detenção, de três meses a um ano e multa.
Há outro Projeto de Lei, o PL 6.241/2005 (clique aqui), em trâmite na Câmara dos Deputados, de autoria da deputada Sandra Rosado (PSB-RN), que tem por objetivo alterar o mesmo artigo 319 do Código Penal, que aprovado passará a vigorar com a seguinte redação acrescido do parágrafo único: "Art. 319. Retardar ou deixar de praticar, indevidamente, ato de oficio, ou praticá-lo contra disposição expressa de lei: (NR) Pena — reclusão, de um a três anos, e multa. (NR) Parágrafo único. A pena aumenta-se de um terço até a metade se o crime é cometido em inquérito judicial, policial, parlamentar, administrativo ou civil público". Assim, a pena que atualmente é de três meses a um ano de detenção e multa, passará a ser de reclusão de um a três anos e multa.
O PL 6.241/2005 suprime parte do mencionado artigo ("para satisfazer interesse ou sentimento pessoal"), que constitui o elemento subjetivo do dolo específico, ou seja, o servidor público será condenado independentemente dos motivos que determinarem sua omissão ou transgressão quanto aos seus deveres de ofício. A criminalista Daniela Villani Bonaccorsi entende que "retirar o elemento subjetivo é um retrocesso, porque se já existem sanções administrativas, para que penalizar?" E continua, "o direito penal não tem caráter retributivo, mas ressocializador, e hoje, a evolução é a limitação do direito de punir, e não abranger e ampliar tipos penais".
Aliás, em visita ao sítio da Controladoria-Geral da União (clique aqui) no dia 9.3.2009, consta a notícia de que "de 2003 a 2009, foram 166 autoridades expulsas do serviço público federal, entre os quais diretores de empresas públicas; auditores fiscais do Trabalho, da Previdência Social e da Receita Federal; subsecretários de administração; e assessores jurídicos". E mais, "já passa de dois mil o número de penalidades expulsivas aplicadas pelo Governo Federal, desde janeiro de 2003, a agentes públicos acusados de envolvimento em práticas ilícitas. Considerando as punições ocorridas em fevereiro deste ano (35), o número total chega a 2.031, sendo 1759 demissões de cargos efetivos, 150 destituições de cargos em comissão e 122 cassações de aposentadorias. Valer-se do cargo para obter vantagens foi o principal motivo das punições, respondendo por 1.013 casos desde 2003 (33,82%); a improbidade administrativa vem a seguir, com 599 casos (20%); os casos de abandono de cargo chegaram a 305 (10,18%); os de recebimento de propina somaram 188 (6,28%) e os de lesão aos cofres públicos, 159 (5,31%)".
É o cerco se fechando contra a impunidade, uma das contribuições para transformar o Brasil em um país mais respeitável.
Não obstante, estamos vivendo no Brasil uma modificação da jurisprudência criminal no que diz respeito ao cumprimento de uma pena. Os exemplos que mais demonstram isso vêm dos tribunais superiores. O corregedor-geral da Justiça Federal, ministro Hamilton Carvalhido, no exercício da Presidência do STJ, deferiu o pedido de liminar em habeas-corpus (HC 124.659, STJ, 14.1.9) sob o entendimento de que quando estabelecido regime aberto do cumprimento da pena privativa de liberdade e há falta de vaga em albergue, o preso poderá cumprir a pena em prisão domiciliar.
Recentemente o STF abriu precedente no sentido de que a prisão somente deverá ocorrer após uma condenação transitada em julgado. E vem também do STF um novo entendimento fundamentado na Carta Magna de 1988 no sentido de que o artigo 595 do Código de Processo Penal, que prevê a deserção da apelação quando o réu apelante foge da prisão após a interposição do recurso, não guarda compatibilidade com a mesma, isto é, o condenado fugitivo passou a ter o direito de ter julgado o seu recurso.
____________________
*Advogado, sócio do escritório Homero Costa Advogados

______________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 13 de março de 2009.
Fonte: http://www.migalhas.com.br/

Plano Real e a crise global

Plano Real e a crise global
Stanley Martins Frasão*
A Medida Provisória 542, de 30 de junho de 1994, ratificada por várias outras, foi convertida na Lei 9.069/95 (clique aqui), que dispôs sobre o Plano Real e estabeleceu regras para a transição entre o cruzeiro real, a URV e o real, especialmente quanto à conversão de obrigações. A MP alterou a unidade monetária do país, obrigou a grafia em real das expressões pecuniárias que traduzissem moeda nacional, fixou a paridade entre o real e o cruzeiro real e a URV e o real. O Programa de Estabilização Econômica (Plano Real) é considerado o melhor no combate à inflação. Continuamos na busca da estabilização econômica, pois a inflação brasileira, conforme fontes do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo - IPCA – famílias com rendimentos mensais entre um e 40 salários mínimos –, apresenta a seguinte evolução, claro, sem os denominados congelamentos de preços.
De 1.620,97%, em 1990, passando por 1.119,90% em 1992, a espiral inflacionária chegou a 2.477,15%, em 1993. Em 1994, quando o Plano Real foi lançado em meados do ano, a inflação ainda foi de 916,46%. Mas começou a ceder, de forma estrutural, a partir de 1995, ficando em 22,41%. A partir daí, não parou mais de cair: 9,56% em 1996; 5,22% em 1997; modestíssimo 1,65% em 1998, dando a impressão de que o dragão estaria domado; 5,97%, em 2000; 7,67%, em 2001; preocupantes 12,53% no ano eleitoral de 2002, quando o mercado financeiro só se tranquilizou com a divulgação da Carta aos brasileiros, pelo então candidato Luiz Inácio Lula da Silva; e voltou a cair, registrando 9,30%, em 2003; 7,60%, em 2005; e 5,9%, em 2008.
A crise global preocupa a todos, causando também a desvalorização do real frente ao dólar. E a moeda reflete a alma do povo. Veja-se o exemplo norte-americano. A soma do curso forçado e a confiança pública no governo, emissor da moeda, permitiu a transição dinheiro metal para o conceito nominalista, quando, em 1971, por ato do presidente Richard Nixon, o dólar deixou de ser conversível em ouro. Desde então, aquela moeda passou a valer somente pela confiança que os cidadãos nativos e de outros países depositavam na economia dos Estados Unidos.
Em face do Plano Real, a confiança do povo na economia e no governo foi recuperada, sendo que o padrão monetário brasileiro estava desde 1990 corporificado no denominado "padrão-dólar". O governo, com o Plano Real, passou a reger um instrumento capaz de aliviar a nossa economia da inflação. Mas não se deve perder de vista a Lei de Francomano, porque quem gasta mais do que ganha e se endivida mais do que pode perde a independência, a alma e hipoteca o futuro. Deixando o Estado de aplicar a sábia lei italiana, fomentará a inflação, permitindo a corrosão da moeda, perdendo a confiança do povo, emergindo inseguranças de todas as naturezas. O futuro, claro, é desconhecido, mas a eterna e resistível esperança brasileira suaviza a incerteza de que nunca mais teremos uma desvalorização da moeda aproximada à de 1989, que atingiu 1.765% de inflação.
__________________________
*Advogado, sócio do escritório Homero Costa Advogados
______________
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 17 de fevereiro de 2009.
Fonte: http://www.migalhas.com.br/

Lula, o próximo vice-presidente?

Lula, o próximo vice-presidente?
Stanley Martins Frasão*
O Presidente Lula poderá ser candidato a Vice-Presidente na próxima eleição, em 2010? Isso é possível? Não seria o terceiro mandato consecutivo? Em tese, Lula poderá vir a ser "a noiva" mais cobiçada pelos futuros candidatos à Presidência da República Federativa do Brasil.
A consulta à Constituição Federal (clique aqui) é necessária. Prescrevem os parágrafos 5º e 6º do artigo 14: "§ 5º O Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou substituído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos para um único período subseqüente. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 16, de 4/6/97 - clique aqui)". "§ 6º - Para concorrerem a outros cargos, o Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal e os Prefeitos devem renunciar aos respectivos mandatos até seis meses antes do pleito."
Vamos recorrer a um precedente. Mário Covas e Geraldo Alckmin foram eleitos em 1994, como governador e vice-governador ao governo do Estado de São Paulo (1995/1998), respectivamente. Foram reeleitos para o mandato 1999/2002. Em ambas as vezes Alckmin substituiu o Governador Covas, que faleceu em 6/3/2001, e assim aquele cumpriu o restante do mandato. Tais fatos serviram para impugnar a candidatura de Alckmin à eleição de 2002, mandato 2003/2006, sob o argumento de que ele não poderia concorrer, pela segunda vez consecutiva, a reeleição ao governo paulista. A impugnação, como se sabe, não foi capaz de impedir a eleição, posse e exercício do mandato de Alckmin, porque foi entendido que não houve afronta ao §6º do art. 14 da Carta de 1988, o que lhe permitiria ficar, consecutivamente, 12 anos no Poder Executivo do estado paulista. Ele se retirou antes, tendo o vice-governador, Cláudio Lembo, assumido o cargo de governador, em 30/3/2006 até 1/1/2007, quando José Serra tomou posse.
Não obstante, o Projeto de Emenda à Constituição 131/2007, apensa à PEC 211/1995 (esta visa coincidir os mandatos eletivos para Presidente da República, Governador, Prefeito, Senador, Deputado e Vereador, que terão duração de 5 anos, e tornar o voto facultativo) e à PEC 142/1995 (reduz para 4 anos o mandato de Senador, definindo que serão suplentes os candidatos concorrentes na ordem subsequente de votação obtida no pleito da eleição do titular), em trâmite na Câmara dos Deputados, recebida pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania, em 20/8/2007, último movimento, pretende dar nova redação aos artigos 14, 27, 28, 29, 44, 46 e 82 da Constituição Federal e introduz dispositivos ao Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, a fim de tornar coincidentes os mandatos eletivos e de aumentar-lhes o período de duração, isto é, põe fim à reeleição para cargo no executivo federal, estadual e municipal, aumenta para 5 anos a duração dos mandatos de Presidente da República, Governador, Deputado Federal, Estadual, Distrital, Prefeito e Vereador e para 10 anos o mandato de Senador e cria regras transitórias visando a unificação das eleições a partir de 2014.
Assim, Deputados Federais e Senadores da República em breve darão resposta ao assunto, até porque a contagem é regressiva! E o Poder Judiciário certamente será provocado.
________________
*Advogado do escritório Homero Costa Advogados
______________

Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 12 de fevereiro de 2009.
Fonte: http://www.migalhas.com.br/

terça-feira, 17 de março de 2009

Feriados em 2009

Feriados em 2009
Stanley Martins Frasão*
Um certo papagaio, em cadeia nacional, chamou a atenção para os feriados em 2009! E assim foram listados: 1 de janeiro, quinta-feira, Confraternização Universal, 24 de fevereiro, terça-feira – Carnaval, 10 de abril, sexta-feira - Paixão de Cristo, 21 de abril, terça-feira – Tiradentes, 1 de maio, sexta-feira, Dia do Trabalho, 11 de junho, quinta-feira, Corpus Christi, 7 de setembro, segunda-feira, Independência do Brasil, 12 de outubro, segunda-feira, Nossa Sra. Aparecida, 2 de novembro, segunda-feira, Finados, 15 de novembro, domingo (não conta), Proclamação da República, 20 de novembro, sexta-feira, Zumbi/Consciência Negra, 25 de dezembro, sexta-feira, Natal. Isto é, 12 feriados nacionais (em dias úteis), excluído-se os estaduais e os municipais. O ano é composto por 52 semanas, o que soma mais 104 dias (sábado e domingo). A lei concede o direito de férias ao trabalhador, 30 dias. Na soma do papagaio serão 146 dias de puro ócio!
Isso sem registrar que dos feriados 8 serão nas segundas ou nas sextas-feiras, 4 serão nas terças ou quintas-feiras, e que estes feriados poderão ser emendados. Serão 219 dias, 7,3 meses, de atividades para parte dos trabalhadores brasileiros e empresas.
O "Impostômetro", aparelho instalado no prédio da ACSP – Associação Comercial de São Paulo, na Rua Boa Vista 51, Centro, SP, registrou, às 13h00 do dia 15 de dezembro de 2008, R$ 1 trilhão em impostos Federais, Estaduais e Municipais arrecadados. Registra-se que a Lei 11.897, de 30/12/2008, (clique aqui) estimou a receita e fixou a despesa da União Federal para o exercício financeiro de 2009 no montante de R$ 1.660.729.655.083,00 (um trilhão, seiscentos e sessenta bilhões, setecentos e vinte e nove milhões, seiscentos e cinqüenta e cinco mil e oitenta e três reais).
Segundo estudo realizado pelo Instituto Brasileiro de Planejamento Tributário - IBPT em 2008, 40,51% do rendimento bruto do trabalhador brasileiro se destina ao pagamento de tributos, sendo que o brasileiro (rendimento mensal de até R$ 3mil) trabalhou de 1º de janeiro até 27 de maio apenas para pagar impostos, taxas e contribuições exigidos pelos governos federal, estadual e municipal. O mesmo estudo do IBPT mostrou que o brasileiro trabalha 148 dias por ano para pagar impostos.
Diante de tantos feriados, uma crise financeira global estabelecida há alguns meses, mas somente agora reconhecida pelo Governo Federal, gerando demissões crescentes a cada dia, fechamento de empresas rondando o Brasil, até porque o faturamento delas certamente será menor em 2009, chegou a hora dos Governos Federal, Estaduais e Municipais repensarem a carga tributária imposta aos brasileiros e empresas, sob pena de termos a ocorrência de vários problemas econômico-financeiros, emergindo destes outros de caráter social, psicológico, dentre outros.
O Programa de Estabilização Econômica ou Plano Real vem sendo considerado, dentre os outros lançados nos últimos tempos, o melhor no combate à inflação. Vale citar José Machado, em seu artigo "A face oculta do Plano Real" (Revista Cadernos do Terceiro Mundo no. 201, Agosto, 1997), que chamou a atenção especialmente para o desemprego, caos nos serviços sociais, desindustrialização, restrição ao crescimento e juros altos, rubricas que não foram contabilizadas na propaganda milionária, financiada pelo Banco Central, sob o pretexto de defesa da moeda, quando do terceiro aniversário do Plano Real.

________________
*Advogado do escritório Homero Costa Advogados
Esta matéria foi colocada no ar originalmente em 6 de fevereiro de 2009. http://www.migalhas.com.br/

Primeiro passe para a Copa de 2014

Primeiro passe para a Copa de 2014

Stanley Martins Frasão*

Ministério do Turismo, desde a sua criação em 2003, conforme informado em seu Anuário Estatístico, volume 33, 2006, registrou que a atividade responde por 10% do Produto Interno Bruto mundial. 2005 foi o melhor de toda História do turismo no Brasil, quando visitaram o País 5.358.170 estrangeiros, com a entrada de 3,861 bilhões de dólares. Foi um recorde histórico de visitação internacional, que significou crescimento de 11,78% em relação ao ano anterior. Destaca-se que, em 2005, a Organização Mundial do Turismo apontou um crescimento médio de 5,5% no fluxo turístico internacional. O Decreto nº 4.898, de 26/11/2003 (clique aqui), transferiu ao Ministério do Turismo - MTUR a responsabilidade pelo cadastramento das empresas e prestadores de serviços turísticos. São 33.371 agências de turismo cadastradas no MTUR entre 2002 e 2005.
Em breve será analisado pelas comissões de Turismo e Desporto e de Constituição e Justiça e de Cidadania, em caráter conclusivo (rito de tramitação pelo qual o projeto não precisa ser votado pelo Plenário, apenas pelas comissões designadas para analisá-lo), o Projeto de Lei 4.388/2008 (clique aqui), apresentado pelo Deputado Roberto Britto (PP-BA), que dispõe sobre a concessão para a abertura de Agências de Viagens.
Assim, se aprovado o PL, a abertura de agências de viagens dependerá de licença a ser concedida pelo órgão federal responsável pelo cadastramento e pela fiscalização das empresas dedicadas à exploração dos serviços turísticos.
Será necessária para a concessão da licença a realização de análise prévia de avaliação pelo mencionado órgão, na qual se levará em consideração, dentre outros fatores, o nível de qualificação de mão-de-obra empregada e dos serviços a serem prestados. E mais, a concessão da abertura de Agências de Viagens dependerá de uma garantia aos clientes para que os mesmos não sejam lesados, caso seja requerida a falência pela agência.
O PL deixou a cargo do Poder Executivo a regulamentação da Lei - que entrará em vigor na data de sua publicação - no prazo de sessenta dias, contados da sua publicação, estabelecendo, inclusive, os requisitos para habilitação à concessão das licenças.
O PL poderá representar e colaborar para o primeiro passe para o grande evento mundial esportivo que será vivido no Brasil, a primeira Copa do Mundo Verde, em 2014. O Brasil deverá criar programas de reciclagem, reutilização e redução do lixo e a neutralização de todo o carbono produzido no evento. Muitos negócios serão gerados antes, durante e depois. Haverá um incremento de bilhões de reais no PIB (Produto Interno Bruto), novos empregos serão gerados e seremos visitados por milhões de turistas de todo o mundo.
O Deputado, em sua justificativa, apontou que não obstante o potencial turístico do País foi verificado que o setor vem sendo atendido, em larga medida, por empresas desqualificadas técnica, administrativa e operacionalmente.
________________
*Advogado do escritório Homero Costa Advogados
Fonte: http://www.miglhas.com.br/ (02.02.2009).

Prêmio Innovare 2008/2009

Prêmio Innovare 2008/2009

Stanley Martins Frasão[1]

O Prêmio Innovare: a Justiça do Século XXI é um instrumento para destacar e difundir práticas bem sucedidas da Justiça brasileira que estejam contribuindo para sua modernização e para pacificação da sociedade. Foi criado para identificar, premiar e divulgar práticas inovadoras do Poder Judiciário, do Ministério Público, da Defensoria Pública e da Advocacia que estejam contribuindo para a modernização dos serviços da Justiça.
O tema da VI edição do Prêmio Innovare, em 2009, é: JUSTIÇA RÁPIDA E EFICAZ. Um dos fundamentos para escolha do tema foi a comemoração dos 60 anos da declaração dos direitos humanos, ocorrida em 10 de dezembro de 2008.
O tema da V edição do Premio Innovare foi : Justiça para todos - democratização do acesso a justiça e meios alternativos de resolução de conflitos - e teve como objetivo valorizar e premiar práticas que atingiram pelo menos um dos objetivos listados no
Regulamento.
Somente em 2008 a Ordem dos Advogados do Brasil foi integrada ao Prêmio na qualidade de nova parceira institucional, criando-se uma categoria para participação e premiação de advogados.
Encerradas as inscrições, teve início a fase seguinte, a visitação técnica das práticas que concorrem ao Innovare de 2008. Os consultores externos de cada Estado da Federação fizeram contato com os autores e responsáveis pelas práticas visando a certificação das mesmas, relatando os dados colhidos, com observância dos seguintes critérios de análise: eficiência, celeridade, qualidade, criatividade, praticidade, ineditismo, exportabilidade, satisfação do usuário, alcance social e abrangência territorial.
Posteriormente deu-se início a fase de julgamento das práticas que foram apresentadas em todo Brasil.
A premiação ocorreu em dezembro/08 em Brasília, DF, no Palácio do Planalto, ocasião em que os vencedores de cada categoria do Prêmio foram contemplados com importância de R$ 50.000,00 (cinqüenta mil reais) em dinheiro, além da entrega de troféus e diplomas. As práticas vencedoras foram: Juiz João Agnaldo Donizeti Gandini, integrante do Poder Judiciário do Estado de São Paulo - comarca de Ribeirão Preto, na categoria Juiz Individual; Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, na categoria Tribunal, de autoria de João Marcus Vinicius Façanha dos Santos; Promotoras de Justiça Rosa Maria Xavier Gomes Carneiro, Maria Amélia Barretto Peixoto e Liana Barros Cardozo de Sant’Ana - Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro, na categoria Ministério Público; Defensores Públicos Renata Flores Tibyriçá, Renato Campos Pinto De Vitto, Vitore André Zílio Maximiano e Carlos Henrique Acirón Loureiro - Defensoria Pública do Estado de São Paulo, na categoria Defensoria Pública; Advogados Bleine Queiroz Caúla, Francisco Otávio de Miranda Bezerra e Ana Paula Araújo de Holanda, Universidade de Fortaleza – UNIFOR, na categoria Advocacia. E as práticas homenageadas foram: Juiz Marcelo Eduardo Rossito Basseto - Seção Judiciária do Estado do Acre, na categoria Juiz Individual; Juízas Karen Rick Danilevicz Bertoncello e Clarissa Costa de Lima - Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul, na categoria Juiz Individual; Tribunal do Estado de Minas Gerais, na categoria Tribunal; Promotora de Justiça Ana Cristina Bardusco Silva - Ministério Público do Estado de Mato Grosso, na categoria Ministério Público; Promotor de Justiça Cândido Furtado Maia Neto - Ministério Público do Estado do Paraná, na categoria Ministério Público; Defensores Públicos Líbero Atheniense Teixeira Junior, Patrícia Fonseca, Carlos Magno de Oliveira e Gabriela Varsano Cherém - Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro, na categoria Defensoria Pública; Consultora da União Hélia Maria de Oliveira Bettero, Advocacia-Geral da União – DF, na categoria Advocacia.
O Prêmio Innovare é uma realização do Instituto Innovare e conta com o apoio do Ministério da Justiça por meio da Secretaria de Reforma do Judiciário, da Associação dos Magistrados Brasileiros - AMB, da Associação Nacional do Ministério Público - CONAMP, da Associação Nacional dos Defensores Públicos- ANADEP, da Associação dos Juízes Federais do Brasil – AJUFE, da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB e da Vale. Neste ano o Innovare contará, ainda, com a participação da Associação Nacional dos Procuradores da República – ANPR.
[1] Consultor externo do Prêmio Innovare, sócio de Homero Costa Advogados.

Stanley Martins Frasão


Stanley Martins Frasão
OAB/MG n.º 46.512
SÍNTESE DE QUALIFICAÇÕES Responsável, desde 1988, pelo Contencioso de Direito Privado de Homero Costa Advogados. FORMAÇÃO ACADÊMICA: Bacharel em Direito, pela Faculdade de Direito Milton Campos, 1983/ 1987. Pós-graduação, nível de Mestrado Stricto Sensu, em Direito Empresarial - Faculdade de Direito Milton Campos, 1998/2.000. DEPARTAMENTO Empresarial ÁREAS DE ATUAÇÃO Direito Empresarial Direito Civil Direito Comercial ATIVIDADES DESEMPENHADAS Conselheiro Seccional da OAB/MG, no período de 1993/ 1997. Integrante da Comissão de Ética e Disciplina da OAB/MG, 1994/1997. Conselheiro Federal - suplente do Conselho Federal da OAB, 1998/2000. Professor de Direito Processual Civil da UNIFENAS - Campus Belo Horizonte, 2003/2008. Membro do Comitê de Ética em Pesquisa do Centro de Pesquisa "René Rachou" - FIOCRUZ, no período de 2000/2001. Sub Relator do Comitê de Advocacia Pro Bono do CESA - Centro de Estudos das Sociedades de Advogados, 2003/2005. Diretor – Vice – Presidente da FUNDAMIG – Federação Mineira de Fundações de Direito Privado, 2004/2005, e Conselheiro, 2006 a 2007. Diretor do CESA - Centro de Estudos das Sociedades de Advogados - Grupamento Minas Gerais. Presidente do Comitê de Cidadania Empresarial da Câmara Americana de Comércio. Conselheiro Regional Câmara Americana de Comércio - AMCHAM. Diretor - Presidente da Fundamar - Fundação 18 de Março. Árbitro da CAMINAS – Câmara Mineira de Mediação e Arbitragem. Conselheiro Seccional da OAB/MG, 2004/2006. Diretor do DAAC – Departamento de Apoio ao Advogado na Capital – OAB/MG, 2004/2006. Presidente da Comissão de Sociedade de Advogados da OAB/MG.
PUBLICAÇÕES Seleção, revisão e atualização de Pareceres do Desembargador Amílcar de Castro - Revista de Jurisprudência Mineira, Tribunal de Justiça - MG, Vol. Especial n.º 129, Fevereiro/95 Atualização e revisão do livro "Procedimento de Execução" - Código de Processo Civil, livro II, arts. 566 e 747, Comentários de Amílcar de Castro, Ed. Forense, 1999, 1ª Edição e 2.000, 2ª Edição. Monografia "Obrigações Solidárias" - Revista do Curso de Direito da Universidade Estadual de Montes Claros, Vol. 18, págs. 211-245, 1998 Co-responsável enquanto mestrando pela elaboração do livro "O Tratamento Jurídico da Sociedade por Cotas, de Responsabilidade Limitada, Comercial nos Países do Mercosul" - sob a coordenação do Professor Osmar Brina Correa Lima, não publicado. Monografia "Exceção de Pré-Executividade" - Revista do Curso de Direito da Universidade Estadual de Montes Claros, Vol. 20, págs. 1-76, 1999. • Atualização e revisão do livro "Procedimento de Execução" - Código de Processo Civil, livro II, arts. 566 e 747, Comentários de Amílcar de Castro, Ed. Forense, 2003, 3ª Edição, em fase de revisão. . Comentários sobre a Desconsideração da Personalidade Jurídica no novo Código Civil, artigo publicado na Revista da OAB/MG, Edição Comemorativa, Ano I, no. I, Agosto, 2004, p. 8/9. . Coordenador do livro Nosso Jeito de Melhorar o Mundo, Projetos de cidadania empresarial de empresas associadas da Câmara Americana de Comércio, Formato, 2005. . A Responsabilidade Civil do Administrador da Sociedade Limitada, Formato, 2007, 1a Edição. . Direito Societário na Atualidade, colaborador, Del Rey, 2007, 1a. Edição, sob a coordenação do professor Leonardo de Faria Beraldo.